NOSSA SENHORA DO CARMO

 

Novecentos anos antes de Cristo, no alto do monte Carmelo, na Palestina, eremitas já prestavam culto à Virgem que, séculos depois, seria escolhida por Deus como veículo que traria seu Filho à Terra para redimir os homens. Foi ali que Elias profetizou a existência futura dessa mulher pura, através de uma visão que também anunciou o fim de uma seca terrível que se abatia sobre seu povo. Contam as escrituras que Elias viu a Virgem e ela se tornou uma nuvem, que subiu ao alto do monte Carmelo e, dali, fez chover sobre as terras a água que a fecundaria e terminaria com a fome.

 

No ano 93 depois de Cristo, monges derrubaram sua antiga casa e construíram sobre o Carmo (abreviatura de Carmelo) uma capela em louvor à Virgem, que já cumprira sua sagrada missão, justamente ao lado da Fonte de Elias, lembrando a profecia.

 

O local permaneceu pelos tempos como residência e ponto de peregrinação de monges e religiosos. No século XII, eremitas fundaram ali a Ordem da Virgem Maria, chamada desde sempre pelo povo de Ordem de Nossa Senhora do Carmo. Assim, a Ordem dos Carmelitas é das mais antigas do Cristianismo, e tem no profeta Elias seu patrono.

 

Era uma época em que esses monges eram muito perseguidos pelos sarracenos, e seu superior, Simom Stock, pediu a ajuda da Mãe para a ordem criada em sua homenagem. Ela teria então aparecido à sua frente, dando seu apoio e entregando-lhe o escapulário da ordem, como símbolo de sua união com os monges, prometendo salvação e vida eterna a todos que o usassem. Era o dia 16 de julho de 1251 e a aparição se deu em Cambridge.

 

Os monges carmelitas espalharam-se pelo mundo, fundando conventos e tornando a ordem cada vez mais popular.